Amor · Caixa de contos · Comportamento · Escrever

História e estórias

Foto: Manual de un buen vividor
Foto: Manual de un buen vividor

 

Eu tenho a incansável mania de me inspirar em meus relacionamentos para escrever textos. Seria muito mais fácil se eu simplesmente me espelhasse em outras pessoas ou mesmo inventasse estórias com mais facilidade. Não sou a Taylor Swift e, infelizmente, não transformei nada do que aconteceu até agora em músicas e hits que alcançam o mundo. Só escrevo pequenos textos.

Eu pego esses relacionamentos e transformo em coisa de uma página – na maioria das vezes eu exagero, carrego no drama, mas tem vezes que é sincero. Porém, dias desses, me perdi em pensamentos imaginando o que seria de mim se um desses relacionamentos furados (ou não) seguisse um rumo e me deixasse dividi-lo em capítulos.

Talvez eu até pudesse brincar de trazer um spoiler do final para o prólogo e deixar tudo mais interessante. E, honestamente, não me importo se o final fosse bom ou ruim. Pouco interessa desde que seja bom ou chocante para quem vê (imagina) a história de fora. Ninguém passa muito tempo pensando no que acontece com um personagem por mais de alguns minutos ou  algumas – poucas – horas.

Não importaria se a história acabasse comigo doida em uma cama de reabilitação (Meu Deus, o que eu teria vivido antes para chegar a esse ponto?) ou feliz em um sobrado das paredes brancas, com o trabalho dos sonhos e com dinheiro para todas as viagens que puder imaginar ao lado de minha querida e amada família.

O fato é que o leitor se mantem preso nos acontecimentos de um período da vida dos personagens e quando o livro acaba ele simplesmente esquece. Quantas vezes eu me perdi nas aventuras de um único dia do Robert Langdon e nunca passei muito tempo me perguntando se depois ele volta para as palestras dele normalmente e consegue viver a vida sem reviver em sonhos os desesperos daqueles dias.

Ou, quantas vezes eu terminei de ler um livro da Rainbow Rowell com o coração todo amolecido por conta da forma como ela fala e trata do amor de dois personagens. Ela que consegue escrever uma estória sobre adolescentes e adultos com a mesma delicadeza e sentimento. Quantas vezes eu passei pela última página desejando por mais para devorar, mas não parei para pensar no futuro daquelas pessoas.

Eleanor & Park talvez não ficaram juntos depois por N motivos, Robert Langdon pode ter ficado um pouco maluco depois de vivenciar tantas coisas que ele antes só via em seus livros de história.

Portanto, o que acontecerá depois do final do livro que ainda tenho que começar pouco importa, eu só preciso de um acontecimento que tenha início, meio e fim. Algumas pitadas de romance, comédia e drama no meio – talvez um pouco de suspense também não seria de todo ruim. Preciso de horas de vivência e horas para sentar e escrever tudo para quem quiser e se interessar em ler. Preciso de papel, caneta, notebook, Word e uma ilustração de capa.

Quem sabe assim eu consiga uma editora e um livro enfim terminado. Ou, mesmo que ele fique só na minha gaveta, que sirva como alavanca para estórias bem melhores por mim inventadas. Acho que essas sim vão me dar dinheiro.

Não sou a Taylor Swift, mas poderia ser um pouco de todas as autoras e escritoras que existem por aí. Só preciso de romance, comédia, drama e talvez até uma pitada de suspense. Preciso de uma ficção que eu possa dividir em capítulos e brincar de dar spoiler logo no prólogo. Acho que vocês vão achar interessante. Tomara.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s